sábado, maio 20, 2006

Intróito

Esta estória deliciosa foi-me enviada por imeile pela boa Amiga Filomena Caetano, colega da Raquel na TAP, que continua a dar-se connosco optimamente e, de quando em vez, me manda «coisas» destas - e piores... Não resisto a inclui-la no Travessa do Ferreira. É um pouco longa; mas vale a pena!!!!!! Ora leiam, sil us plau
A.F.




Diário de um dono de casa

Porque se queixarão as mulheres das lides domésticas se basta um pouco de organização?


Segunda-feira


Sozinho em casa. A minha mulher foi passar a semana fora. Ora aí está uma excelente mudança. Vamos passar uma semana inesquecível, o cão e eu.

Delineei um programa e organizei o meu horário. Sei exactamente a que horas me levantar, quanto tempo demoro na casa de banho e a preparar o pequeno-almoço. Acrescentei o número de horas de que preciso para lavar a loiça, fazer limpezas, passear o cão, ir às compras e cozinhar. Fiquei agradavelmente surpreendido com o muito tempo livre que ainda terei. Não percebo porque é que as mulheres se queixam da lida da casa se tudo isso exige tão pouco tempo. O segredo está numa boa organização.

O cão e eu comemos um bife cada um ao jantar. Vesti-me a rigor, acendi uma vela e pus rosas numa jarra para criar uma atmosfera aprazível. O cão comeu paté de foi gras como entrada, repetiu a dose como prato principal, com uma requintada guarnição de legumes e biscoitos à sobremesa. Eu bebi vinho e fumei um charuto.
Há muito que não me sentia tão bem.

Terça-feira


Tenho de dar uma olhadela ao meu horário. Uns pequenos acertos.
Expliquei ao cão que não se pode ter festa todos os dias e que por isso, não pode estar à espera de entradas e três tigelas de comida, que é claro, tenho de lavar.

Ao pequeno-almoço, verifiquei que o sumo de laranja natural tem um inconveniente. É preciso lavar sempre o espremedor. Alteração possível: fazer sumo para dias. Assim só tenho metade do trabalho.

Descoberta: posso aquecer salsichas dentro da sopa. Menos uma panela para lavar.
É claro que não pretendo aspirar todos os dias, como a minha mulher queria. De dois em dois dias é mais que suficiente. O segredo está em andar de chinelos e limpar as patas do cão. Quanto ao resto sinto-me optimamente.

Quarta-feira


Tenho a impressão de que afinal a lida doméstica leva mais tempo do que pensava. Preciso de repensar a minha estratégia.

Primeiro passo: comprei um saco de comida rápida. Não tenho de perder mais tempo com cozinhados. É um disparate perder mais tempo com a comida do que a comê-la.

A cama é outro problema. Primeiro é preciso sair de dentro do edredão, a seguir arejá-lo e por fim fazer a cama. Que complicação! Acho que não vale a pena fazê-la todos os dias, sobretudo porque nessa mesma noite voltarei a deitar-me. Parece-me inútil.

Deixei de fazer refeições complicadas para o cão. Comprei algumas de lata. Ele fez má cara, mas não teve outro remédio senão comê-las. Se tenho de me contentar com refeições pré cozinhadas, ele não é mais do que eu.

Quinta-feira


Acabou-se o sumo de laranja! Como é que um fruto aparentemente tão inocente causa tamanha confusão? É inacreditável! Vou passar a comprar sumo engarrafado pronto a beber.

Descoberta: consegui sair da cama quase sem a desfazer. Basta-me depois alisar ligeiramente a roupa. Claro que é preciso uma certa prática, e não me posso mexer muito durante o sono. Doem-me um bocado as costas. mas nada que um bom duche quente não possa resolver.

Deixei de fazer a barba todos os dias. É uma perda de tempo. Assim, também, ganho uns minutos preciosos que a minha mulher, como não tem de fazer a barba, nunca perde.

Outra descoberta: não vale a pena usar um prato lavado de cada vez que como. Lavar a loiça tantas vezes começa a dar-me cabo dos nervos. O cão também pode comer só numa tigela. Afinal de contas - é um animal.

Nota: cheguei à conclusão de que basta aspirar no máximo uma vez por semana.
Salsichas ao almoço e ao jantar.

Sexta-feira


Adeus sumos de fruta! As laranjas são muito pesadas. E sto de morar num terceiro andar sem elevador tem que se lhe diga.

Descobri o seguinte: as salsichas sabem bem de manhã. Ao almoço nem por isso. Ao jantar, nem vê-las. Salsichas mais de dois dias seguidos enjoam.

O cão, esse, está a comida seca. Tem os mesmos nutrientes, e não suja a tigela. Descobri também que posso comer a sopa directamente da panela. Sabe ao mesmo - nem tigela nem concha. Assim já não me sinto tanto como uma máquina de lavar a louça.

Já não lavo o chão da cozinha. Irritava-me tanto como fazer a cama.

Nota: acabei com as latas. O abre-latas fica todo pegajoso!

Sábado


Que ideia mais parva é esta de me despir à noite se tenho de voltar a vestir-me de manhã? Aproveito mas é o tempo para ficar mais um bocadinho na cama. E também não preciso de colcha, por isso a cama está sempre feita.

O cão encheu tudo de migalhas. Pu-lo na rua de castigo. Não sou criado dele! Que estranho. De repente, dei-me conta de que é o que a minha mulher me diz às vezes…

Hoje é dia de fazer a barba, mas não me apetece nada. Tenho os nervos em franja. Ao pequeno-almoço, só as coisas que não seja preciso desembrulhar, abrir, cortar polvilhar, cozinhar sem misturar. Tudo coisas que lixam um homem.

Plano: comer directamente do saco em cima do fogão. Nem pratos, nem talheres, nem toalha, nem nenhum disparate desses.

Tenho as gengivas um bocado inflamadas. Deve ser a falta de fruta, que é muito pesada para carregar. Será que estou com princípio de escorbuto?..

A minha mulher telefonou à tarde a saber se eu tinha lavado as janelas e posto a roupa a lavar. Desatei a rir meio histérico. Disse-lhe que não tinha tempo para essas coisas.

Há um problema com a banheira. Está entupida com esparguete. Também não estou para me chatear. Não me incomoda muito porque deixei de tomar duche.

Nota: o cão e eu comemos juntos directamente do frigorífico. Tem é de ser depressa. Não convém deixar a porta aberta muito tempo.

Domingo


O cão e eu estamos sentados na cama a ver televisão. Vemos pessoas a comer todo o tipo de iguarias. Salivamos os dois. Ambos estamos fracos e rabugentos.

Esta manhã comi da tigela do cão. Nenhum de nós gostou.

Precisava de me lavar, barbear, pentear, fazer comida para o cão, limpar a casa ir às compras e uma série de outras coisas, mas não arranjo forças. Sinto que estou a perder o equilíbrio e que a vista me está a faltar. O cão deixou de abanar a cauda.

Num último reflexo de sobrevivência arrastámo-nos até um restaurante. Durante uma hora, comemos toda a espécie de pratos óptimos. Em seguida, fomos para um hotel. O quarto é limpo, arrumado e confortável. Descobri a solução ideal para o governo da casa. Não sei se a minha mulher já se terá lembrado disso.

6 comentários:

herculano da costa disse...

É um crime!... Toda a gente sabe que a solução é o cão livrar-se do dono e ficar a viver com a dona...!
Por amor de Deus! se as mulheres prestassem para alguma coisa Deus teria certamente meia-dúzia delas e o Diabo não nos apareceria com cornos...!
Depois, quem precisa de mulheres em casa, se uma empregada faz as mesmas vezes, quantas vezes melhor, e não somos obrigados a dizer, no fim do acto, que as amamos...?! E, atenção, sai sempre mais barato: não pagamos contas de cabeleireiro, não há cá idas à florista, o tormento das incursões à Cartier, etc...
E, meus caros, uma coisa que me enerva solenemente: é quando elas nos andam a remexer nos bolsos... não há procura de elementos comprometedores da nossa irremediável infidelidade, mas sim, calculem, de uns euros ou do Visa, para estoirar no dia seguinte naquele doutor horroroso que tem uma maquineta de laser e insiste em dizer que lhe vai acabar com a celulite... Pode?!!
tchau! herculano da costa

MULHER disse...

Foi dos textos mais fantásticos que li... de facto desenganem-se os Homens que pensam que vivem sem as mulheres, pois nao passa de conversa frustada de gente gabarola.
O facto meus caros, é que apesar de toda a sabedoria que "dizem" ter, nao são de todo capazes de fazer o que as Mulheres fazem, pelo que optam sempre pela soluçao mais fácil, nem que isso seja sinónimo de viver no meio da pocilga ou utilizar o cartão de crédito até que a "salvaçao" lhes chegue.
Este artigo ilustra bem a incapacidade masculina tenha ela a vertente que tiver.
Homens... façam-vos um favor... NAO SE ILUDAM, sao apenas um mal necessário!!!

Alex Santana disse...

Que me perdoe o autor do artigo (que está fantástico), mas o meu comentário vai para o Herculano Costa.
Meu caro, todos sabemos que elas já nao nos vao aos bolsos para nos tirar algumas notas para irem a cirurgiões tao mentirosos quanto elas, mas sim para gastar com os amantes ou com strippers de bares da moda.
Estamos em pleno século XXI. Em que Mundo é que vives??????
Daaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhh

herculano da costa disse...

deixo aqui o meu comentário ao comentário do Alex: tem razão, meu Caro! passou-me ao lado essa dos amantes!... mas que quer? 'tou desfazado da realidade, porque, infelizmente vivo sozinho e graças a Deus ainda não voltei a casar!... eh eh eh
abraço
herculano da costa

João Coelho - Lisboa 1200-780 disse...

Já li e reli essa conversa de xaxa entre o Herculano e o Santana. Era para me calar e sair de cena. Mas outro Santana, o Vasco, nunca me perdoaria tal cobardia. Aqui estou, portanto, para vos dizer, aos dois ambos, que vão trabalhar, malandros e continuem a não fazer nada em casa. Deixem-se de mariquices. Se não sabem lavar a loiça, peguem num pano e enxugem-na. Boa vida...

F. Teixeira disse...

"Se nao sabe lavar a loiça, pegue num pano e enchugue-a"?????????? Ai ó meu Deus...!!!
Caro Dr. Antunes Ferreira, texto á parte, já viu o que aqui conseguiu??
Salvé a boa disposiçao minha gente!!
Tem aqui um excelente blog... continue.