terça-feira, maio 23, 2006

Fados y castañolas


Ontem, ia a passar desprevenidamente em frente da sala do joliva, a caminho das necessidades (que nada têm a ver com negócios, muito menos com estrangeiros) desfecha-me o Santos (de pau carunchoso?): «Estou a organizar um grupo de fados y castañolas. E vossemecê fica cas sevillanas acastañoladas». Perdoem o portuñol, mas é dele, não meu, juro-vos. Respondi-lhe humildemente que, quanto a castañolas, no le diré ahora mismo, pero todavia creo que sí. Sin embargo, sevillanas, ya no tengo edad para...» E ala para o fundo do corredor, tão apertadinho me encontrava.

À volta, depois de ter reconfirmado a minha meia aceitação da proposta – que me dispenso de referir em pormenor, mas é, sem mais, pelo menos intimidatória – entrei no meu antro desarrumado por prática e convicção e dei por mim a pensar na provocação ignóbil do senhor gajo. Ainda por cima, perante testemunhas: a Isabel, da Madre de Deus e o Rente da box leonina.

Reflecti, o que por vezes me acontece, sem grandes danos. O Santos ainda não aceitou o engenheiro homónimo. Dissera-lhe, de manhã, que o Rui Costa voltaria à Luz para fazer 20 minutos de cada partida, complementados por outros 20, a cargo do Mantorras. E que os binfikistas, assim, seriam muito felizes, apesar dos Vieira & Veiga.

Donde, tenho quase a certeza que o homem, de vingança, quase me fazia fazer... nas calças. Não se faz: nem nas calças, nem a proposta. A vingança – que, de acordo com a Maria de Lurdes Modesto, se deve servir fria – é uma perversão mesquinha e vil da convivência interclassista. Só se vingam os que não conseguem sentar-se à mesa da concertação. E mesmo esses...

Pensando bem, ó João, pensando bem, se calhar nem as supracitadas castañolas. Neste, como em noutros casos, vem sempre à colação a diferença entre um sexagenário e um septuagenário. O sexagenário ainda se... tenta. O septuagenário só se... senta. Ainda vou matutar na questão.

A.F.

1 comentário:

Fã de Moz (Mozambique) disse...

Que "blog" magnifico!!


Dr. Antunes Ferreira

Acredite que fico muito, mas muito contente em ver que está de novo o mesmo de antigamente, livre dos problemas de saúde e de tempos mais assombrados. Sinto-o com força, garra e cada vez mais jovem, fazendo melhor do que nunca a arte que tem em si... escrever!!!
Bem haja e que Deus o guarde para que nos possa continuar a presentear desta maneira.

Nao tive tempo de o visitar na totalidade, pois por cá temos 1 hora a mais de diferença horária e já caminhamos para a meia noite, mas amanha cá voltarei.

Obrigada por ter partilhado comigo este seu blog, que darei a conhecer a amigos.