domingo, junho 11, 2006



Os impostos e a internet

Antunes Ferreira
A internet, é sabido, está hoje presente no quotidiano de milhões e milhões de seres pensantes (?) espalhados pelo Mundo. O senhor Tim Berners-Lee, seu criador sabe isso e muito bem; o senhor Bill Gates, patrão da informática, também sabe isso e muito bem; outros, ainda que mais pequenos, também sabem isso e bastante bem.

Nos nossos dias, a World Wide Web é uma das culpadas da globalização, senão mesmo a maior. A sigla www entrou de tal forma na vida dos humanos que a usam sem receios nem tibiezas, como se já tivessem nascido com ela nos cromossomas/chips. Sobretudo os mais jovens, ab initio utilizadores, quem sabe se no líquido placentário, dela, perguntam frequentemente – como era isto quando não havia a net?

São já em número incalculável os que pensam e filosofam sobre ela. E já há bastante tempo, muitíssimos vêem-se pronunciando contra os seus perigos e malefícios, não ignorando a esmagadora maioria e o peso correspondente da sua utilização, os benefícios que trouxe aos que nela navegam, principalmente aos que, através dela, aprendem, apreendem e cultivam-se. Por isso, há que agradecer a quem a transformou na quase panaceia universal.

Há, reconheço, o enorme perigo da dependência. Há, aceito, o enorme perigo do aproveitamento criminoso das suas ciclópicas potencialidades. Há, concordo, a utilização anónima dela como meio de difuso de ideias terríficas como o terrorismo. E há, ainda, os que temem que o seu nome caia nas teias da teia global que ela é, pelas dores que lhes causam anedotas, críticas desrazoáveis e desrazoadas, acintes, insultos e quejandos.

A net e a independência

Poucos dias atrás, Berners-Lee defendeu numa entrevista que a rede deve permanecer neutra e resistir a tentativas de a fragmentar em diferentes serviços. O cientista britânico desenvolveu a www em 1989, como uma ferramenta académica que permitiria aos cientistas compartilhar informações. Desde então, a rede estendeu-se a todas as áreas. Mas, à medida que cresce, há cada vez mais discórdia sobre como deve ser o seu desenvolvimento.

De início pensou-se que inventor não conseguiria aguentar a seu invento. Porem, ao invés de vender a sua criação, Berners-Lee criou o World Wide Web Consortium, que administra a internet nos Estados Unidos como um modelo aberto. O modelo é baseado na neutralidade da rede, onde todos têm o mesmo nível de acesso e a informação na internet é tratada com igualdade. Esta visão é apoiada por empresas como a Microsoft e a Google, que defendem a criação de leis para garantir a neutralidade da rede.

As afirmações do entrevistado foram uma verdadeira referência directa às tentativas nos Estados Unidos de tentar cobrar por diferentes níveis de acesso na internet. Segundo ele, a ideia «não faz parte do modelo da internet». Este alerta foi feito em Edimburgo, na Escócia, onde Berners-Lee participou na Conferência Anual sobre o futuro da internet.

O texto que publico de seguida, recebi-o através da rede, num mail enviado por um Amigo e correspondente. É cáustico, com a sua ironia da cicuta, arsénico, curare e mata-ratos diluídos em ácido sulfúrico. Mas é absolutamente correcto. Oxalá José Sócrates seja alertado para ele e dele tome conhecimento. Oxalá o chefe do Executivo o tome em conta com muita atenção. Ridendo castigat mores, diziam os romanos. Pois que seja.


Cem €uros...

Em cada cem €uros que o patrão paga pela minha força de trabalho, o
Estado, e muito bem, tira-me vinte €uros para o IRS e 11 €uros para a Segurança Social.
- O meu patrão, por cada cem €uros que paga pela minha força de trabalho, é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75 €uros para a Segurança Social.
- E por cada cem €uros de riqueza que eu produzo, o Estado, e muito bem,
retira ao meu patrão outros 33 €uros.
- Cada vez que eu, no supermercado, gasto os cem €uros que o meu patrão pagou, o Estado, e muito bem, fica com 21 €uros para si.
Em resumo:
- Quando ganho cem €uros, o Estado fica quase com 55.
- Quando gasto cem €uros, o Estado, no mínimo, cobra 21.
- Quando lucro cem €uros, o Estado enriquece 33.
- Quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus
negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.

Eu pago e acho muito bem, portanto exijo:
- Um sistema de ensino que garanta cultura, civismo e futuro emprego para os meus filhos.
- Serviços de saúde exemplares.
- Um hospital bem equipado a menos de 20 km da minha casa.
- Estradas largas, sem buracos e bem sinalizadas em todo o país.
- Auto-estradas sem portagens.
- Pontes que não caiam.
- Tribunais com capacidade para decidir processos em menos de um ano.
- Uma máquina fiscal que cobre igualitariamente os impostos.
Eu pago, e por isso quero ter, quando lá chegar, a reforma garantida e jardins públicos e espaços verdes bem tratados e seguros.
- Polícia eficiente e equipada.
- Os monumentos do meu País bem conservados e abertos ao público, uma
orquestra sinfónica.
- Filmes feitos em Portugal.
- E, no mínimo, que não haja um único caso de fome e miséria nesta terra.
Na pior das hipóteses, cada 300 €uros em circulação em Portugal garantem ao Estado cem €uros de receita.
Portanto, Sr. primeiro-ministro, governe-se com o dinheirinho que lhe dou,
porque eu quero e tenho direito a tudo isto.

Um português contribuinte.

1 comentário:

Helder, Restelo, disse...

O euro foi a pior coisa que aconteceu a Portugal, depois da integração no Mercado Comum. Coisas de quem não era capaz de resolver os nossos problemas sózinho.
Estamos enterrados até aos cabelos num buraco cujo fundo é o maior, e já batemos nele. Vem agora este tipo A. F. falar de coisas que não lembram ao diabo. O senor contribuinte tem carradas de razão: o Primeiro Ministro não pode continuar a meter as mãos nos nossos bolsos.