segunda-feira, junho 26, 2006





O hino do Scolari

Antunes Ferreira
Já que é politicamente correcto e fino dizer mal do seleccionador nacional a toda a hora e momento, estamos hoje precisamente na altura ideal para pedir a cabeça do brasileiro. Mas, entretanto, aqui fica o meu aplauso rouco pela extraordinária jornada de ontem à noite em Nuremberga. Uma vitória épica! Que sofrimento! Os Portugueses espalhados pelo Mundo, a começar no rectângulo natal, encheram o peito de alegria. E com toda a razão!

Os heróis do feito são os jogadores, pois o responsável é um oportunista cheio de sorte. Não fora isso, nunca se teria sagrado Campeão do Mundo, no Japão e Coreia, à frente do escrete. O mal destas coisas é um gajo ter nascido com o rabinho virado para a Lua. Além disso, existe também a vantagem de Deus ser brasileiro. E o Brasil ter já então, o Ronaldo, o Cafu, o Roberto Carlos, o Gilberto Silva, o Lúcio, o Edmilson, o Rivaldo e, claro, o Ronaldo e o Ronaldinho Gaúcho.

Relembre-se: o técnico era um tal Luiz Felipe Scolari, o cara que deixara no Brasil, fora do timão, um Romário a precisar da reforma. Contra tudo e contra todos, incluindo o Presidente. Nestes preparos, no País Irmão, não há quem pule fora do barco. Se este for para o fundo, vão todos, incluindo o comandante que, mesmo de bem afogado e morto ainda será enforcado, tão logo seja recuperado o cadáver.

Pois muito bem. Felipão é o homem do leme da nau portuguesa. Leva uma porrada de jogos sem sabem saber o sabor da derrota. Dirigiu os rapazes vitoriosos no Europeu 2004, que só caíram na final contra uma Grécia que se provaria, depois, ser de trazer por casa. E conquistou o apuramento para o Alemanha 2006 com uma vantagem e facilidade de impressionar o mais pintado.

É preciso abatê-lo

Mesmo assim é uma besta e, ainda por cima, um mal educadão. Logo pela escolha dos futebolistas se viu que os velhos e emperrados não iriam a terras germânicas para grandes cometimentos. Os detractores profissionais anteviram mesmo um desastre das cores verde-rubras, o descalabro, a derrota, o terramoto, o tsunami. Xingar o Scolari tornou-se uma obrigação. O alvo ideal para os tiros dos especialistas/sabedores é ele. Por isso é preciso abatê-lo.

Nada, nada. A equipa passou aos oitavos de final. Também mal seria se não passasse. Angola, Irão e México eram carneiros prontos para a degola. Assim, também eu. Mas, lá que passaram – passaram. Com um bambúrrio que nem te rales, à tangente, com tudo o que se queira. O Scolari, esse, continuava a ser uma falácia, não valia nada e, além disso, um oportunista, um sem-vergonha ganhador... de euros.

Ontem à noite, porem, foi ilibado - de todos os crimes cometidos - pelo tribunal de... Nuremberga. Que o sujeito é durão, já se sabia. Daí a nazi vai uma distância de milhões de anos-luz. Pois, assim mesmo, o grupo do Felipão marcou, aguentou, sofreu – e ganhou. Está pois encontrado o momento azado para se bater ainda com mais força no responsável máximo pela equipa de todos nós.

Que conferência de imprensa!

A conferência de imprensa de um Homem com caixa alta chamado Luiz Felipe Scolari, após a ciclópica tarefa contra os pupilos de Marco Van Basten, contra os críticos e contra o apito de Valentin Ivanov y sus muchachos, foi uma pedrada no pântano lodoso em que se sobrevive no futebol indígena. Adoptando linguagem mais futeboleira: foi um golaço! Pela dignidade, pela frontalidade, pela portugalidade, um viva ao seleccionador nacional!

E nem é preciso acentuar aqui que quando o Senhor Joseph Blatter disse no final do jogo que dava um amarelo ao russo, isso era mais do que evidente. Para não se afirmar que ele nunca devia ter ido à Republica Federal da Alemanha – por falta de qualidade. Os juízes do futebol cá da casa são, no mínimo, fraquitos. Por isso a FIFA não os escolheu. Ivanov, uma nulidade. E foi escolhido.

«Valerá a pena eu cantar o hino português, para depois dizerem que sou um produto de imagem e de marketing?» – perguntou o técnico da vitória. «Será que não entendem que, quando canto o hino nacional, o estou a sentir?», acrescentou. Este é o Scolari que alguns consideraram ser um golpista, pois até mexe os lábios fingindo que canta A Portuguesa.

Para os Senhores Alfredo Keil e Henrique Lopes de Mendonça, onde quer que estejam – se estão... – o Sargentão deve ser um intérprete privilegiado da obra que é o hino de Portugal. Por todos os motivos e mais um: com essa atitude cimentou, se possível ainda mais, a união de um grupo de homens que, ontem, foram verdadeiros heróis da resistência.

E ainda mais: a comparação entre o Cristo e o Figo tem que se lhe diga. «Jesus Cristo deu a outra face quando foi agredido, mas Figo não é Jesus Cristo e, por isso, não deu a outra face. Tinha a bola, foi agredido na cara e caiu. Queriam o quê?» Por essas e por outras é que o homem atravessa todos os dias o Rubicão – e todos os dias afirma que alea jacta est! – é motivo de tanto dichote.

Os ditos bem pensantes e bem falantes desta minúscula faixa de terra que nós somos não toleram quem não entre no coro por eles orquestrado como um miserável meio tenor de quarta fila. Esses são os apaniguados que eles toleram, esses são os capangas com que contam. Os solistas, como é o caso do treinador brasileiro – que ainda por cima é tenor de gabarito – devem ser fuzilados provisoriamente.

Vá, senhores críticos: abaixo o Scolari e quem o apoiar. Ou seja, o Figo, o Costinha e os outros 21. E mais uns milhões largos de portugas do burgo e da diáspora.

2 comentários:

F. Teixeira, Cedofeita, Porto disse...

O sr. Scolari éum mal educado. Não faz cá falta nenhuma. Diz que a família gosta muito de estar em Portugal e ele também, mas o que ele gosta são os euros que todos os meses lhe entram na conta. Dizem que é bom técnico e que ganhou o campeonato de 2002. Com tantos monstros na equipa, esta ganhava mesmo sem treinador. É o que se passa com o meu FCPorto.
Foi-se o Mourinho ma temos o Co. Que deve estar chatiado com a derrota do país dele contra o nosso.
O senhor pinto da Costa é que topa o sacana Scolari.Que não levou o nosso Vitor Baia e o nosso Quaresma. Um destes dias o brazileiro ainda vai parar ao bueiro. Deus me ouça. Boa noite
E quando joga o nosso Ricardo Costa? Penso que o scolari o levou para a Alemanha só para dizer que selecionou um do Campião Nacional. Filho da p.

Anónimo disse...

O scolari fa bem em não usar o Vitor Baía alias dou GRAÇAS A DEUS QUE JÁ NINGUÈM LIGA ao Porto e ao que o Pinto da COsta quer para a selecção, ora vai lá ver como as coisas estavam antes e como elas estão agora, são pessoas como tu e outros mal agradecidos que não fazem cá falta nenhuma em Portugal, O trabalho do Scolari é exemplar e quem tem dedos a apontar á selecção deve de andar a comer merda as colheres é que so pode. Olha para Inglaterra com as Vedetas todas onde é que anda a Inglaterra no Europeu? O scolari fez da selecção o que ela é hoje, uma GRANDE Selecção de nível MUNDIAL.