sábado, agosto 18, 2007




_______
SALTEADO
_______


Agosto, o mês

Antunes Ferreira
Adoro estar em Lisboa - em Agosto. Quando inúmeros habitantes ulissiponenses saem da cidade, é uma calma notável. Os miúdos, de férias grandes, os pais de férias pequenas, todos juntos, mais os solteirões com subsídio em dia e os velhotes com posses ou reformas chorudas, tipo Banco de Portugal, essas centenas de milhar ausentes deixam, aos que ficam, descansar. Eu, juro-vos, sossego, logo, descanso.
O trânsito é outra loiça. E, agora, com os radares dos 50 quilómetros a ajudar (ó António Costa, devia haver em toda a capital, todinha), circula-se como se se vogasse em colchão de praia – de papo pró ar. Chega-se, até, a dar, misericordiosa e civicamente, passagem fora das passadeiras aos peões educadíssimos que nós somos. E que, mesmo nos outros meses assim procedem. Civismo, é o que é. Mais. Aos carros, poucos de matrícula nacional, que por aí erram.
Por isso esta minha adoração, amor, o que se lhe queira chamar pela minha cidade em Agosto. Ontem, um chofer de táxi quando lhe disse que queria ir para a rua do Zaire, nem me perguntou se era no Bairro das Colónias. Pudera, não. Por mais maçarico que fosse na profissão, nem precisaria de GPS. Há, apenas, um problema: os turistas. Mas como estes trazem ma$$a$, perdoa-se-lhes que nos roubem essa excelente tranquilidade. Não muito, porem, que tudo tem um limite. A paciência, também. Adoro estar em Lisboa – (mas) em Agosto.

3 comentários:

Anónimo disse...

Reparo com agrado que a velocidade prevista de 50 km por hora para a Radial da Buraca é afinal de 80 Km por hora. A velocidade de 50 era realmente muito ridícula e era inferior à de 70, permitida sobre o tabuleiro da Ponte 25 de Abril, ou à imediatamente a seguir, antes do Aqueduto das Água Livres, onde o limite é de 80, numa curva e contra curva. A velocidade aqui é exagerada e está bem provado pelos embates visíveis no separador central e nos protectores laterais. Apesar de tudo, julgo ainda que a Radial da Buraca não me parece mais perigosa que o IC19, pelo que não creio que fosse demais aceitar o limite de 100 km nesse local, sem prejuizo da redução para 50 no entroncamento com a 2.ª. circular, como já acontece.

Porém, as vias onde foram colocados os controlos de velocidade são em geral vias rápidas urbanas especiais, patético é impor-se-lhes o limite de 50 km por hora, pois estas vias têm em geral faixas de trânsito separadas, cruzamentos desnivelados e sem habitações a ladear as vias. Uma coisa é circular-se na Av. Marechal Gomes da Costa ou na extensão da Av. EUA ou na Av. Infante Dom Henrique; outra é circular-se nas vias à direita da Av. Almirante Reis (nas vias centrais não será exactamente o mesmo), na Rua da Escola Politécnica, na Travessa das Flores, na Rua da Madalena ou na Rua do Alecrim, etc.... É claro que nas últimas vias indicadas não seriam detectados tantos infractores, mas uma coisa garanto eu: os que fossem “caçados” mereciam bem mais o castigo da multa!

Além disso, os limites poderiam ser variáveis, como na Ponte Vasco da Gama, os “placards” até o permitem: Já imaginaram o que é circular na Av. da República ou subir o túnel do Marquês a 50 Km por hora às 2 da madrugada? Será o mesmo que às 18h00? Qual foi o critério para a escolha das velocidades e dos locais a controlar?

Passei com a minha mulher à dias num dos locais onde estão os radares a indicar os 50 Km por hora (no prolongamento da Av. EUA), à cautela circulei a 40 Km por hora. O limite é de 50 e não poderia ir no limite porque seria arriscado, teria que olhar pró conta quilómetros em vez de olhar prá da estrada, o que é PERIGOSO, e a tolerância é nula. O resultado foi muito interessante, pois a minha mulher avisou-me que não queria voltar a passar por aquele sítio. Acho que vou aceitar a sugestão mesmo quando for sozinho e recomendá-la aos restantes automobilistas. Aquelas vias devem ser desprezadas até que seja corrigido o insólito limite.

Zé da Burra o Alentejano

Luís Alves de Fraga disse...

Pois não é que estou de acordo com os dois! Quero dizer, concordo com o comentário que antecede o meu e com a postagem do dono do blog.

Lisboa é uma excelente cidade sem os visitantes diários que aqui trabalham ou estudam o ano inteiro! Excelente só com os habitantes e «gostantes» de Lisboa!

Caro Ferreira, aproveito para lhe dar os parabéns pelo seu blog. Muito bom.

Raul disse...

Lisboa é uma excelente cidade, estou de acordo.
Mas sem os visitantes diários que aí trabalham ou estudam o ano inteiro e isto sem falar nos turistas que vos deixam uns trocos valentes ... nao seria grande coisa!