terça-feira, julho 22, 2008



«Morte na Picada»
Contos da guerra em Angola


Antunes Ferreira
Como certamente já sabem, dei à estampa o me(a)u primeiro livro de ficção, «Morte na Picada», numa edição da Via Occidentalis, (occidentalis@netcabo.pt). Que parece – manda a decência e a prudência que o não diga eu, mas... – que vai indo bastante bem junto do público. O editor «ameaça» uma 2.ª edição. Espero, para ver. De qualquer modo, o que só se poderá verificar, naturalmente, depois da análise das vendas.



Aquando do seu lançamento na fnac do Colombo, no dia 15 de Abril (mais de 200 pessoas presentes), Joaquim Furtado – um grande Jornalista, autor da série A Guerra Colonial, um enorme êxito na RTP - afirmou, na apresentação que fez, que o livro, «de que gostei mesmo muito», em seu entender, «é o melhor que, no género, e sobre o tema, foi publicado em Portugal». E acrescentou que alguns dos contos mereceriam «uma adaptação televisiva e, até, cinematográfica.

Tenho de acentuar o meu prazer e o meu orgulho pela disposição do Joaquim Furtado para apresentar o livro. E nunca é demais acentuar que o Grande Prémio Gazeta do Jornalismo do ano de 2007 foi concedido ao trabalho televisivo. Foi o reconhecimento da qualidade da obra produzida, mas também do seu autor. Por vezes, neste nosso País, acerta-se. Foi o caso do júri do prémio. Como também tenho de sublinhar o gosto, a satisfação e o agradecimento ao Joaquim Vieira

e ao Fernando Farinha.

Como já disse acima, a editora da obra é a Via Occidentalis, (www.via-occidentalis.blogs.sapo.pt) de Lisboa. No blogue podem ser consultados todos os dados sobre o livro, cujo preço de capa é € 14,70. Pode ser comprado pela Internet. A equipa que me acompanhou nesta aventura é excelente. O prefácio é assinado por outro grande Jornalista, o Joaquim Vieira e a capa e as fotos do interior são de Fernando Farinha, para muitos o maior repórter fotográfico da guerra de Angola.



«Morte na Picada» tem sido, felizmente, muito bem recebido junto de ex-combatentes das guerras coloniais que, apesar de se tratar de ficção, vêm nas suas páginas um retrato muito próximo da realidade. O que não admira, pois que nela participei. E, por isso, costumo dizer que, para mim, foi uma infelicidade, sobretudo porque estava contra esse crime. Aliás, deixem que vos diga que, para mim, uma guerra é sempre sinónimo de crime. A ADFA, Associação dos Deficientes das Forças Armadas, aplaudiu a obra e já deu nota dela por dois meses consecutivos no seu jornal mensal Elo.

Se já o adquiriram e leram, muito obrigado E se, por singular acaso, tiverem gostado dele, terão de comprar muitíssimos mais exemplares. São excelentes prendas de aniversários, casamentos, divórcios, baptizados, Natais, Carnavais, Anos Novos, Páscoas, Pentecostes, vinte e cincos de Abris, cincos de Outubro, dezes de Junhos. Até para funerais. Oferecer o «Morte» na morte fica bem em qualquer velório que se preze. E, além disso, recomendem-no, publicitem-no, propagandeiem-no, impinjam-no aos vossos Amigos, conhecidos, desconhecidos & outros, SARL. Os euros estão tão raros e... caros...

Fotos (de baixo para cima)

Capa

Joaquim Furtado

Joaquim Vieira

Fernando Farinha - inauguração de uma exposição sua






25 comentários:

_E se eu fosse puta...Tu lias?_ disse...

Espero que seja um "sucesso picado"!!

beijinhossssssss

João Videira Santos disse...

Mesmo tratando-se de ficção quantas experiências e vivências não estão num tema que foi caro à juventude Portuguesa.
Ainda não li o livro,mas,seguramente, não deixarei de o fazer.

Pena disse...

Estimado e genial Amigo:
É com enorme prazer e apreço que irei adquirir o seu "Morte na Picada".
A sua simpatia para comigo excedeu todas as expectativas que se me levantaram em conhecê-lo.
Admiro-o e, sem o conhecer, nutro imenso respeito e estima pela pertinência e valor do conteúdo do livro que agora escreve ainda repleto da magia doce da sua lindíssima idade de "juventude "eterna que admiro.
Parabéns pela sua presença tão agradável no meu blog que agardeço reconhecido.
Quanto ao que o levou lá, aqui fica, o que lá expressei com dedicação e simpatia ao que me sugere amavelmente. Sabe, respondo a todas as pessoas que por lá passam.
"Rezei" assim:
Acredito na seriedade das pessoas.
Tudo que possa contribuir para o bem-estar e tranquilidade das pessoas na defesa de valores importantes nos aspectos de desenvolvimento Pessoal, Social e Humano, para mim, é muito bem vindo.
Criei este blog há cerca de três anos com o intuito de ser um cantinho familiar, onde expresso o que sinto, o que sou, o que admiro, e o que me dá prazer fazer pelas pessoas, ajudando a Humanidade de uma forma mais justa, correcta e merecida.
Todos os textos aqui expressos são de minha autoria e, sabe, pertencem ao meu mundo interior, próprio, que define a minha ânsia de amabilidade e apreço pelas pessoas de bem, sem esquecer ninguém, mesmo ninguém.
Sou um Educador/Professor atento, sério e que ama a vida com intensidade e toda garra que ela me proporciona.
Não sei se tem valor o que escrevo, mas faço-o com dedicação, simpatia e alegria.
Não sei se diz alguma coisa às pessoas?
Quando comecei, quem me comentava era a minha vasta familia, unicamente.
Agradeço, com sinceridade este tipo de iniciativas e se puder contribuir com algo meu, entrego-lhe o que tenho de mais precioso e belo que me faz sentir bem.

Abraço de muita estima e admiração pelo gesto magnífico com que me surpreendeu.
Um pormenor: Comento blogs encantadores brasileiros, pois, o Brasil, se por um lado, o temo pelas desigualdades sociais existentes e violência/crimes nas suas ruas, admiro-o imenso, pela beleza e magia espectacular das suas praias de sonho, das suas paisagens e das suas gentes tão simpáticas e puras de sentimentos e forma de serem.

Com grandiosa estima, consideração e respeito

Abraço amigo

pena

MUITO OBRIGADO pela sua atitude, admirável amigo.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Fiz nova postagem. É sobre um filme que todo mundo já deve ter visto, mas acho que é a minha melhor resenha.
Apareça aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,
Renata

Anónimo disse...

Os euros estão tão raros e... caros...

Hoje na sala de espera para consulta de otorrino, no Hospital Militar D.Pedro V, estava um sargento chefe a lêr a Morte na Picada e eis que chega um conhecido e pergunta.
O que estás a lêr? o homem mostrou a capa do Livro, hei estás quase no fim, será que me emprestas para eu lêr? resposta: empresto o caral... vai-te mas é fod... compra! mas, não há mas nem meio mas, ficas a saber que;
OS BONS LIVROS NÃO SE EMPRESTAM AOS AMIGOS E OS BONS AMIGOS NÃO PEDEM LIVROS EMPRESTADOS, sabes quem disse isto? não! foi o Alberto Camus.

Um abraço
Amilcar Dias

N.B.
Para quem esteja interessado em adquirir o livro,a FNAC Stª Catarina (aqui na aldeia com muitas casas) está a vender a €13.23.

Duarte disse...

O livro pode ser muito bom, mas tu, ademais de bom escritor e jornalista, es um bom comercial. Desculpa, deformação profissional.
Somos quase da mesma quinta. Só que eu estive na FA e não fui à África.
Estes temas geralmente são atractivos para o público, todos temos fresca a memória com o desgarro que representou a estúpida guerra colonial.
O livro do Lobo Antunes, com as cartas que escreveu à sua mulher, e vice-versa, foi um êxito, o teu não vai ser menos.
Se por fim vou a Lisboa, para ver os meus filhos e os meus netos, vou comprar o teu livro e já te direi o meu parecer.
Quanto ao resto das tuas propostas, vai dizendo coisas que tentarei participar. Ainda estou em activo, profissionalmente, com certas limitações quanto ao tempo livre.
Quanto ao idioma, expressaste no que queiras, que serei reciproco.

Um grande abraço e grandes êxitos, de leitores e de vendas.

Se o livro entra, o boca a boca será o melhor meio de propaganda...

C Valente disse...

Obrigado pela visita.
Hoje passo rápido, entretanto vou comprar o livro, cujo tema me interessa
Saudações amigas

O Sibarita disse...

Caro Antunes, obrigado, pela bondade do seu coração nos elogios, não sei se sou merecedor, mas, que fiquei contente, fiquei sim. Na realidade, não me acho escritor, poeta ou algo semelhante, apenas, escrevo e o faço desde os 16 anos e hoje aos 58por pura diversão, acredite! Gosto muito mesmo de escrever poesias e textos desopilantes, me realizo!

Não sou jornalista, mas, pretendo fazer a Faculdade de Jornalismo depois de aposentado quem sabe no início do próximo ano. Minha formação profissional é totalmente diferente, embora, como disse acima amo escrever.

Não tenho livros lançados, aliás, participei de umas duas coletâneas a pedido de pessoas amigas, uma das quais, do Portal Cen ai de Portugal. Ganhador de alguns concursos literários nunca me liguei em lançar livros, embora, com convites, gosto mesmo é de me divertir escrevendo.

Igualmente a você, sou uma pessoa bem humorada, alegre, gozadora, brincalhona, e que gosta de falar das coisas da Bahia em baianês (dialeto usual de nós baianos) com uma pitada é claro de críticas nas entrelinhas. Sendo assim, aceito humildemente o seu convite.

A net veio para isso estreitar laços nunca dantes pensados, se bem usada, teremos ótimos resultados no crescimento individual e coletivo daqueles que se propõem levar a sério essa ferramenta de grande valia. Aí estão os blogs para completar a democratização e inteiração, hoje, qualquer pessoa pode ter um e nele colocar suas idéias e pensamentos... É isso aí!

Quanto ao seu livro desejo um estrondoso sucesso de vendas e que venha a segunda edição, inclusive, com lançamento no Brasil para que possamos também desfrutar dessa boa leitura. A meu ver pela experiência que você adquiriu na guerra o livro deve ser muito bom mesmo. Ao seu projeto, acho, muito interessante e agregador, vamos nessa!

Olha, já dei boas gargalhadas, quando diz: “Se, porém, não as quiseres, diz-me eu paro logo. Sou muito bem-mandado (a minha mulher que o diga…) e muito obediente (cf. parênteses anterior).” E, é? kkkk Pois é, então, somos dois, se eu não obedecer a minha negona apanho! E ai? Estamos empatados é ou não é? kkkk

Imeile:(kkk) sibarita@terra.com.br

Abraços,
O Sibarita

Fernando Rozano disse...

desejo sucesso pleno. grande abraço.

Antunes Ferreira disse...

Aviso à navegação:

Tomei o gosto da resposta individual/colectiva e já não quero outra...

... e se eu fosse etc.
Obrigdo. Mas, vai já comprar e impingir! Norma 97B
Qjs

João Videira
Para ler - é preciso comprar. lol.
A recomendação é a mesma: impingi-lo. Norma 97B.
O TEU IMEILE É...

Pena
Não tens nada que agradecer. Se gosto - digo. Se não gosto - não digo. Tenho perdido algumas coisas por ser assim. Mas, como vou mudar, a caminho dos 67?... Norma 97B.
IMEILE???



Já lá fui.


Anónimo
Pois sim senhor: compra e não bufes. E aplica a norma 97B...
IMILIO???

Duarte

Comercial? Se eu não disser bem de mim, ninguém... etc.
Vá, menino, obrigadinho e - Norma 97B
IMEILE???

C. Valente
Ah ganda valente. Claro que vais comprar. Norma 97B
IMILIO????

O Sibarita
Olha, irmão: faz o que bem entenderes quanto ao curso. Mas, continua a escrever, que o fazes muito bem.
Jovem: o livreco pode ser adquirido pela net. Não te esqueças... Norma 97B

Fernando Rozano
Oxalá; agradecimento sincero. Não te esqueças... pela net podes adquirir... E mais Norma 97B
IMILIO????

Menina do Rio disse...

Desejo Sucesso de vendas pro teu livro!

Um beijo

Vieira Calado disse...

Meu caro:
Acho sempre muito interessante, tudo quanto seja cooperação lusófona.
Acontece que, ainda não há muito, troquei livros de poesia com um brasileiro, ele colocou poemas meus no seu blog, e eu coloquei os dele no meu:

vieiracalado-poesia.blogspot.com

Vá dando notícias.

Um forte abraço.

Antunes Ferreira disse...

Menina do Pão de Açúcar
Espero! Podes comprar pela net. Norma 97B
Queijinhos
IMEILE?????????

Antunes Ferreira disse...

Vieira
O Calado é o melhor. Vou mandar, de vez em quando, um textículo, com x...
Compra. Norma 97B
Obrigado
IMILIO?????????

Paradoxos disse...

Amigo Antunes estou certo de que o seu livro terá as respostas que merece! Fiquei muito satisfeito com a sua visita. Apetece adquirir ja o livro pra conhecer e descobrir mais de si. Ja tenho uns tantos na lista de espera. Venha mais um :-)

é sem dúvida um homem com o saber à flor da mente!!

Abraço forte

Lucia disse...

Ola:
Cheguei ao seu blog por indicação do Sibarita, e gostei muito do que vi. Interessei-me pelo livro, pretendo adquiri-lo. Espero que ele seja um estrondoso sucesso de vendas.
Abraços

luciavianna6@gmail.com

Átila disse...

Cheguei aqui pelo blogue da Rosa dos Ventos. Como tbm fui alferes miliciano de 1966-1968 em Angola ( BCAV1883/CCAV1537) fiquei interessado no livro . Oxalá não seja como o do Lobo Antunes e quejandos que aproveitam os sentimentos das pessoas menos precavidas para ganhar algum , Vou comprar e depois direi algo...

Antunes Ferreira disse...

Paradoxos
És um gajo bué da fixe. Não há nada kenganar: comprar o me(a)u libreco e propagandea-lo. Já está. E diz aos teus e tuas Amigo(a)s. Brigadinho.
E MANDA O TEU IMILIO, PORRA!!!!!!!!!!!

Antunes Ferreira disse...

Iubit Lucia
Mulţumeşc frumŏş, que em língua ceausesquiana quer dizer muito obrigado. O Sibarita é um propagandista de mérito, éoké.
Vai comprar JÁ o me(a)u livreco – antes que se acabe. E cumpre a Norma 97B.
Queijinhos

Antunes Ferreira disse...

Ó nosso alferes Huno*
Eu também andei cu terno de garupa às costas – no 1.º ciclo do COM, em Lanceiros 2, ali pertinho de SEXA PR. Lobo Antunes? Foi meu colega no Camões e não gosto dele. Ponto. Por isso compra o búquio e se gostares – diz. Se não gostares – diz. E cumpre a Norma 97 B. Se assim não acontecer – estás no ir!!!!!
MANDA-ME O TEU IMEILE!!!!!!!!
O meu: ferreihenrique@gmail.com

++++++++++++++++

* Eu, por mor de ser um perigoso elemento subversivo, cumpri
5-aninhos-5, tendo chegado a tenente miliciano sem saber ler nem escrever... Meia volta, volver, batimento, em frante marche!

Santhiago Ramirez disse...

Antunes Ferreira, deixei o meu tugúrio, no Brasil, coloquei minhas melhores alfaias, caprichei nas polainas, passei uma lavanda nos cabelos e vim aqui visitá-lo, açafaitado.
Foi uma honra havê-lo recebido lá em meu humílimo e recém-nato espaço. É tanta informação, em seu comentário, que vou ler novamente. Devo logo de plano dizer que gosto da idéia de uma tertúlia virtual e, tanto quanto possa, quero integrá-la, sim. Vou passar a visitar seu blog mais constantemente, pois que mistura, deliciosamente, alegria e inteligência.
Vou visitar os sítios recomendados e, a pouco e pouco, por-nos-emos (noto só agora que à primeira parte desta mesóclise faltou um quê de pudicícia, mas vou deixá-la assim mesmo) a par, um(uns) dos trabalhos dos outros, e quem sabe não damos prossecução a essa idéia tão boa?
Agradeço mais uma vez pela gentileza de sua visita.
Deixo um vigoroso amplexo e minha mais sincera prolfaça pelo seu trabalho.

Bill Stein Husenbar disse...

Antes de mas quero desejar o melhor sucesso ao seu livro e que em breve irei comprar o seu livro. Em seguida, quero agradecer por ter visitado o espaço deste poeta e psicólogo que é Bill Stein Husenbar - http://desabafos-solitarios.blogspot.com/ -. Espero que o projecto que está a desenvolver seja alcançado com sucesso. O blog Desabafos Solitários está disponivel para ajudar no que for preciso.

Delegação de Alcobaça disse...

Bom dia. Vivo em Alcobaça. Também sou Veterano de Guerra (do Ultramar). Gostaria de adquirir o seu livro, mas aqui não me é possível,pelo que caso me possa indicar um local exacto muito lhe agradecia, pois assim talvez o pudesse expor na Feira de S. Bernardo, que vai decorrer aqui em Alcobaça, entre os dias 20 e 26/08/2008, no stand da Delegação de Alcobaça da A.P.V.G. - Associação Portuguesa dos Veteranos de Guerra.
Sem mais, saudações veteranas
José Fialho

Antunes Ferreira disse...

João Fialho

Guerra é sempre criminosa. Mas, vá lá, nós os dois safámo-nos. O que foi e é e será muito bom!!!

Estou-te muitíssimo agradecidérrimo pela ideia A A.P.V.G. pode ser um excelente camino para a venda do
me(a)u «Morte na Picada», ficção, pois são contos da guerra em Angola 66/68. Boíssssssimaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!
O livreco pode ser adquirido em qualquer livraria, embora em muitas já esteja esgotado. Oxalá ainda encontres aí em Alcobaça. Mas podes comprar pela net.

De qualquer forma, junto uma informação do Editor


«Morte na Picada» - para ler e recordar
•Contos da guerra em Angola da autoria de Antunes Ferreira

«Morte na Picada», da autoria de Antunes Ferreira, numa edição da Via Occidentalis, (occidentalis@netcabo.pt) está a caminho do sucesso. Aquando do seu lançamento na fnac do Colombo, no dia 15 de Abril (mais de 200 pessoas presentes), Joaquim Furtado – um grande Jornalista, autor da série A Guerra Colonial, um enorme êxito na RTP - afirmou, na apresentação que fez, que o livro, «de que gostei mesmo muito», em seu entender, «é o melhor que, no género, e sobre o tema, foi publicado em Portugal». E acrescentou que alguns dos contos mereceriam «uma adaptação televisiva e, até, cinematográfica. O «Morte na Picada» tem em preparação a 2.ª edição.
Recorda-se que o Correio da Manhã já há algumas semanas que está a proporcionar aos seus leitores a primeira parte dos programas de Joaquim Furtado em DVD semanal. A segunda série vai começar a passar também na RTP, muito brevemente.
Entretanto, o autor deslocou-se a Coimbra e ao Porto e lá apresentou o livro, nas livrarias Bertrand dos centros comerciais Dolce Vita daquelas cidades, bem como autografou exemplares. A Bertrand é a distribuidora do volume, uma série de contos (short stories) sobre a guerra colonial de Angola, cuja acção decorre em meados dos anos 60.
Antunes Ferreira tem vindo a conceder várias entrevistas a órgãos da Comunicação Social, entre os quais avulta o Diário de Notícias, em que trabalhou como jornalista durante 16 anos e de que foi Chefe da Redacção. Mas, outros jornais e rádios têm igualmente registado o acontecimento.
Como já se disse acima, a editora da obra é a Via Occidentalis, (www.via-occidentalis.blogs.sapo.pt) de Lisboa. No blogue podem ser consultados todos os dados sobre o livro, cujo preço de capa é € 14,70. Pode ser comprado pela Internet. Tem um prefácio da autoria de Joaquim Vieira e a capa e as fotos do interior são de Fernando Farinha, para muitos o maior repórter fotográfico da guerra de Angola.
«Morte na Picada» tem sido muito bem recebido junto de ex-combatentes das guerras coloniais (ultramarinas) que, apesar de se tratar de ficção, vêm nas suas páginas um retrato muito próximo da realidade. o que não admira, pois Antunes Ferreira, que nela participou, tem a experiência daquilo que, segundo diz, «foi uma infelicidade, sobretudo porque estava contra esse crime». A ADFA, Associação dos Deficientes das Forças Armadas aplaudiu a obra e já deu nota dela por dois meses consecutivos no seu jornal mensal Elo.
Vários Amigos - que têm tido a gentileza de também dizer que o livro é bom... - dizem que se pode resumir: SANGUE E SEXO. Eles é que dizem...

Manda-me o teu imeile - é uma ordem!!!!! Hahahahahaha...

ferreihenrique@gmail.com

Antunes Ferreira disse...

Perdão, caro Amigo O seu a seu dono:
JOSÉ Fialho
Joões há muitos. Erro meu.