sábado, agosto 16, 2008





Vou ali assaltar o Banco e volto já

Por Antunes Ferreira
«Vou num instantinho ali, assaltar o Banco, e volto já. Entretanto, quero uma bica cheia e escaldada, um copo com água fresca e um uísque com três pedras de gelo, em balão». O sujeito pôs óculos escuros Ray-Ban e certificou-se de que a Walther tinha o carregador atestado. Puxou a culatra atrás e, com a pistola destravada no bolso do casaco, saiu em direcção à dependência bancária.



O empregado do café nem pestanejou. Do hábito, era o trivial. Mas apercebeu-se de que no passeio em frente estava um outro fulano também com óculos fumados. Encostado em local proibido, frente à agência, havia um BMW com um fabiano ao volante, também oculado a tom castanho carregado. Cenário que lhe pareceu simples coincidência e não lhe quis dizer qualquer coisa. Foi-se a atender outros clientes ao balcão.

O mais chato foi que o freguês não voltou. Enfim, nada de grave. A bebida voltou para a garrafa, sem que a ASAE disso tivesse conhecimento. O café ficou-se pela gaveta redondinha da máquina, convenientemente calcada, felizmente que ainda não sujeita ao vapor cimbalístico. Quanto à água, que se lixasse. Na torneira era o que não faltava e o gelo ainda nem saíra do reservatório correspondente. Prejuízo – zero.

Depois, face ao estardalhaço que se levantara, ficou a saber que os três mânfios tinham basado com mais de cinquenta mil brasas, que o mesmo é dizer euros. Isto de acordo com o gerente – que se queixava de ser a terceira vez que tinha sido assaltado. Na mesa do fundo, o sôr Fagundes, reformado do Montepio, disse para quem o quis ouvir que, no seu tempo, «não havia destas modernices». O Freitas, desempregado profissional, assentiu com a cabeça.

Quiçá a pêjóta viesse a apanhar os gajos. Ele lembrou-se da doutora médica que no dia anterior contara à SIC a odisseia que vivera com refém. E dissera que eram necessárias medidas impedir tais atitudes criminosas. O povo não podia estar todos os dias sujeito a coisas dessas. Ela não sabia muito bem o que seria possível fazer – mas lá que era necessário, isso era.



Sendo assim, o Governo do Sócrates que resolvesse o imbróglio. Antes do mais, os tipos eram os culpados. De tudo e, no caso especial, dos assaltos aos bancos. O pessoal andava cheio de cagaço, a insegurança era o trivial, até se falava já em milícias para devolver às pessoas a tranquilidade e o sossego do espírito.

Dissessem o que dissessem, no tempo da outra senhora, havia decência, havia maneiras, havia respeito, havia ordem. Nos dias que corriam agora, o despautério era total, ninguém sabia a lei que existia – se é que existia – a vida era uma complicação. Democracia e Liberdade. Qual quê? Demagogia e libertinagem, era o que era.

O sôr Fagundes inclinava-se para o Freitas. «A crise. A crise é que paga as favas. Nós estávamos tão bem sem revoluções nem mudanças e hoje é o que se vê. O que é que você acha»? E o militante do descanso com rendimento mínimo: «O preço do pitrólio não é para aqui chamado. Cá para mim, temos de ter mais polícias, dos do antigamente, com cassetetes e tudo, esta malta gosta de levar porrada e só assim entra nos eixos»!



Ora bem: um chui a guardar cada cidadão. Ou, até, uma. O ideal. E, alem do mais, resolvia-se o problema do desemprego no País. Fosse outro que não o Sócrates e o caso mudava de figura. Olarila.

(Texto também publicado no www.sorumbatico.blogspot.com)

36 comentários:

Jofre de Lima Monteiro Alves disse...

Somos assaltados todos os dias pelos bancos, banqueiros e seus accionistas, na medida em que mesmo em tempo de grave crise económica e social os bancos e as seguradoras apresentam lucros asiáticos fantásticos!!! É um fartote. Os assaltos aos bancos não me preocupam de modo algum, comparado com a criminalidade de proximidade, os assaltos e roubos às pessoas. Boa semana com tudo de bom.

João Videira Santos disse...

Gostei da prosa. Fluída, incisiva, interessante.
Afinal,própria de quem sabe da arte.

sagitario disse...

ter 66 anos e vontade de viver com dignidade e qualidade é uma benção dos deuses.
Meu caro somos da mesma idade, apesar de as suas habilitações literárias e profissionais serem uma grande mais valia, é bom colaborar e partilhar com os outros, por isso obrigada.
Mas falando do seu texto, quero partilhar a minha experiência de hoje:
Uma amiga minha sofreu um ataque cardiaco e está hospitalizada, fui visita-la ao hospital e qual não foi o meu espanto quando numa das camas estava o assaltante do banco, o que vi deixou-me de rastos, um rapaz ainda tão novo, numa cama de hospital, completamente perturbado e com a policia a guarda-lo, é uma cena tão triste que nos faz pensar em que sociedade vivemos e para onde vamos,todos temos familia e só nos resta rezar para que sejamos protegidos

mundo azul disse...

...roubo, seja qual for é muito triste!

Mas, concordo com o Jofre...Entre um banco e um pobre coitado que é roubado de seu salário ou uma familia que é submetida a um assalto em sua própria casa, me penalizo mais pelos segundos...Roubo a bancos, são mais raros.

Gostei muito do seu texto!


Beijos de luz e um final de semana feliz!!!

Antunes Ferreira disse...

Jofre
Já deixei no teu blogue uma pequena resposta. Concordo na generalidade. Mas, de assaltos e de armas - já basta!
Muito obrigado e volta sempre. JÁ!!!!!!!!
Abs

NB - Manda-me o teu IMEILE. O meu ferreihenrique@gmail.com;
... e não te esqueças de comprar o me(a)u «Morte na Picada»...

Antunes Ferreira disse...

Caríssimo João
Fico desvanecidíssérrimo com essa «de quem sabe da arte»! Se não soubesse um poucochinho, que raio tinha eu andado a fazer na vida??? Vou escrevendo - e se alguém gostar, como parece ser o teu caso - óptimo ou ótimo, de acordo com o novo «Acordo» e com o fuso horário...
IMEILE?
MEU(A)U LIVRECO?

Antunes Ferreira disse...

Sagitário
Excelente! Habilitações literárias e profissionais? Muito obrigado, é o que se pode arranjar... E não me ponho em bicos dos pés, porque um mastodonte como eu (+/- 120 quilitos...) dava muito nas vistas...

O assantante em causa? É um assaltante, jovem, velho, branco, preto ou mulato. É sempre um assaltante. Ponto
Qjs e/ou abs
Pedidos habituais:
O teu IMEILE?
O me(a)u livreco?

Antunes Ferreira disse...

Azulinha

Ainda bem que vieste. Volta sempre, se possível duas vezes por dia... Hahahahahaha

Sou do PS, quase fundador, e cada vez mais penso que não podemos contemporizar com assaltos, ataques e armas. Já chega o que chega!
Qjs

Repito os PEDIDOS já feitos aos outros coitados...

Fernando Santos (Chana) disse...

Caro amigo, obrigado pela sua visita e suas palavras sobre meu modesto blog...
Gostei do seu texto muito profissional...espectacular...
Um abraço

Chousa da Alcandra disse...

Obrigado pela sua visita (e os seus comentarios) á Chousa.
O meu blogue somente é unha pequecha vía de escape para amosar a minha vila e tamén un chisquinho das minhas inquedanzas.
Voltarei con máis calma noutra ocasión pola travessa.

Saúdos fraternais

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Muito bom de ler esse texto!!!
Adorei!

Antunes Ferreira disse...

Seu Chana
Um homem é um homem e um gato é um bicho. Há verdades que não se discutem: esta é uma delas. As tuas palavras espectacular e profissional são favores que muito agradeço; se são verdades... fico todo inchado
Qbs

Antunes Ferreira disse...

Ó Chousa da alcandra

Na beira, na beira, na beira do mar, fui ver um barquinho pra ir a navegar...
Adiante primo/irmão. Volta cá muitas vezes que eu gosto!Não te demores.
Manda o teu imeile. O meu: ferreihenrique@gmail.com;
Compra o me(a)u livro «Morte na Picada» - podes fazê-lo pela internet;
Passa-me mais primos/irmãos para me sentir mais galego. Hahahahaha

Antunes Ferreira disse...

Brunellazita

Ainda bem que gostaste. Prometo que vai haver mais...
Qjs

Chinha disse...

Olá:

Recebi há pouco o teu ( longo) comentário no meu blog.Claro que vim aqui espreitar, pois como não podia deixar de ser fiquei curiosa, até porque falaste de Angola que me é muito familiar .
Apenas fiz uma leitura muito superficial , até porque o adiantado da hora já tira o discernimento para uma leitura mais concisa e promenorizada.
Vi e gostei.
Voltarei com mais calma , mas esta postagem além de espirituosa é de enorme actualidade.

Obrigada pela visita e um bom domingo.

um beijo

Antunes Ferreira disse...

Chininha

Antes Chinha do que China...

Pois sim senhor, também andaste por Angola, por certo, porque te é muito familiar. Uma terra riquíssima, com todo o direito a ser independente. O Salazarento não a deixou ser; o Caetanote, idem, idem, aspas, aspas. E, até agora, não o é. Mas isso são outras contas de outro rosário.

Fico à espera de nova visita tua - JÁAAAAAAA!!!!
Qjs

E não te esqueças:
1) Gosto que passes a colaborar aqui no Travessa. Manda um imeile - e já está;

2) Manda-me o teu imeili, tá? e

3) Vai JÁAAAAAAAAAAA comprar o
me(a)u «Morte na Picada»!!!!! Penso que o podes achar interessante. Tenho dito

Aqueduto Livre disse...

Além de bom d'escrita, ainda dá uns toques no "marqueting":assim é que é.

Bola p'rá frente!

Sem entrarmos numa de "securitária", à moda do PP/Paulo Portas, sou por um estado severo, criterioso, mas sem tibiezas quanto ao crime e às ofensas pessoais e patrimoniais.

Hei-de voltar aqui.

Já convivia consigo no Sorumbático, mas a meias com o "imenso" Nuno Brederode dos Santos e com as "espantosas" fotos do Antónioo Barreto... e ponto.

Abração,

Zé Albergaria

PS - Estou exausto e rendido: amanhã vou à FNAC comprar a "Morte na Picada". Se não gostar arrimo-lhe com ele à cabeça...estou a brincar.

JC disse...

Obrigado pela visita ao meu blog.
Quanto à segurança neste País, cada vez deixa mais a desejar. Ainda hoje mais um morto e cinco feridos em Sacavém, concelho de Loures. Porquê tantos problemas nesta zona da periferia da capital?
Porque é que as forças de sefgurança não fazem uma vigilância mais apertada nestes bairros mais problemáticos?
Algo tem que ser feito pelo poder em Portugal para pôr cobro a estas situações. Não podemos acordar e todos os dias ouvirmos nos noticiários dizer que houve rixas e mortes.
Afinal estamos numa Europa que se diz desenvolvida.

Graça Pimentel disse...

Este último assalto irritou-me principalmente pelos teus colegas jornalistas. Uma tristeza... Também lhe dediquei umas linhas no "destramar".

Um abraço

Multiolhares disse...

Actualmente o crime compensa
A policia não tem a força que deveria de ter,
Talvez se de vez em quando acontecesse
Como neste ultimo assalto onde os assaltantes
Foram tratados como o que realmente são,
isso os fizesse pensar duas vezes.

Bom domingo

peciscas disse...

Um excelente e saboroso retrato de um doa mais visíveis aspectos do "estado da nação" e, correlativamente, do estado da chamada "opinião pública".

Antunes Ferreira disse...

Senhor Aqueduto Livre, Insolência

Nestas coisas não há como dar o seu a seu dono. O Chico da CUF, que foi meu Amigo e meu (in)subordinado no «Portugal Socialista» (de que fui Chefe da Redacção e, depois, Director-Adjunto), dizia que na falecida URSS havia o fuzilamento provisório... E ele que lá vivera duas ou três décadas, sabia da poda, com p.

Não penso que seja grande solução. Mas, há que fazer qualquer coisa. «Verá-se» como diz o ceguinho...
Abs

Antunes Ferreira disse...

ADENDA
Ó Zé Albergaria
Insisto em insistir: manda-me o teu IMEIIIIIILE! Por..., digo, chiça!!!!!

Antunes Ferreira disse...

Jótacê

Boa! Ou há segurança ou comemos todos!

Volta a falar-se em «milicias populares». Isso - não. As forças de segurança que se encarreguem da luta anti-banditismo. É a sua missão (ou melhor, uma das)e o resto são cantigas.

Afinal, dizes bem, estamos numa Europa que se diz desenvolvida... Mas que apanha uma broncopneumonia dupla & aguda, acompanhada de mononucleose, quando os EUA espirram. Ora se eles até tiveram o Al Capone... por que bulas não termos nós o direito de ter um Al Cagoitas?
Abs

Antunes Ferreira disse...

ADENDA II´

Ó Jota que também é Cê

Os anos pesam e a memória falha; é a pdi...
IMEILE?
Me(a)u livro?

Antunes Ferreira disse...

Menina Gracinha

Com a confusão que por aí grassa, uma Graça tem muita graça.

Parabens por seres tão bem comportadinha: o imeile foi excelente. Juro, até, que vamos iniciar uma troca epistolar que vai ser um sucesso. Ao pé dela o Phelps não será nada!


Quanto a jornalismo: não voltaria a fazer jornais. Os de hoje, claro como vinho tinto
Qjs

Antunes Ferreira disse...

Multiolhares

Numa rua sossegada
dizia o filho prá mãe
debaixo daquela arcada
é a esquadra da polícia...

Não rima, mas é verdade. Isto tem de ter alguma solução, ainda que provisória. Mas, quando uso esta palavra, lembro-me logo dos cigarritos da minha infância: os Provisórios e os... Definitivos.

Isto um dia vai melhorar. Oxalá
Abs

Antunes Ferreira disse...

+ ADENDA

Multi

IMEILE?
«Morte na Picada»????

Antunes Ferreira disse...

Peciscas

Mtagardecido. E embora deja conhecido que sou socialista, não sou sucia-lista. Estamos perante o estado a que isto chegou, lamentavelmente. Nós, Portugas, não prestamos: já o escrevi, já o disse, já o re, já o tri e por aífora. Temos de corrigir-nos e de nos emendarmos. Mas, ainda seremos muito felizes. Assim seja.
Antes que me esqueça:
IMEILE?
ME(A)U LIVRO?
Abs

Aqueduto Livre disse...

Ó companheiro, que não te falte o meu email.

Toma lá do Oneil! Porra! Lá m'enganei outra vez.

O que quero dizer é o meu email:

josealbergaria@gmail.com.

Abração p'ra quem continua na rua da emenda.

Lá m'enganei outra vez: p'ra quem continua sem emenda!

Agora, e a sério, abração e manda sempre,

Zé Albergaria

Antunes Ferreira disse...

Zézito

Estragas-me com mimos, ai, ai. Oxalá a minha caríssima 1/2 não saiba disto, se não ainda levo porrada. Amen
Abs

poetaeusou . . . disse...

*
antunes ferreira,
pois . . .
,
quem querias que fosse ...
,
saudações
,
*

Antunes Ferreira disse...

Poetaeusou
Obrigadinho, camarada. Claro: sei que és poeta - mas não sei quem tu és. Eu só sei que nada sei, creio que foi o Cristiano Ronaldo que o disse. Ou terá sido o Quaresma? Até pode ter sido o João Moutinho... Dúvidas existenciais, duvidas? Agora só falta que voltes amanhã - quando muito - me mandes o teu IMEILE e compres o me(a)u «Morte na Picada».
Abs

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Ferreira, querido:
Acabo de publicar algo de belo. Um post feito a várias mãos, ou seja, vários colegas da Blogosfera contribuíram para esta postagem. Venha apreciá-lo.
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
Um beijo,
Renata

Antunes Ferreira disse...

Renata
Vou, sim senhor. Mas, também quero colaborar para a próxima vez, tá?
Saúde? Oxalá bem.
Qjs

Graça Pimentel disse...

A menina Gracinha está pronta para a troca epistolar e para o sucesso...

Um abraço