sexta-feira, maio 04, 2007



RI-TE, RITA

Exigências da vida moderna
(quem agüenta tudo isso??)


Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro.E uma banana pelo potássio. E também uma laranja pela vitamina C. Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.


Todos os dias deve-se tomar um Yak ult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão).Cada dia uma Aspirina, previne infarto. Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso. Um copo de cerveja, para... não lembro bem para o que, mas faz bem. O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.

Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um pulôver. Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente. E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia. E não esqueça de escovar os dentes depois de comer. Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax.


Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia. Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma. Sobram três, desde que você não pegue trânsito.As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).

E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando. Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.

Ah! E o sexo.Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo e nem estou falando de sexo tântrico. Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação. Na minha conta são 29 horas por dia.

A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!!! Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes. Chame os amigos e seus pais. Beba o vinho, coma a maçã e dê a banana na boca da sua mulher. Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésio. Agora tenho que ir. É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro. E já que vou, levo um jornal...

Tcháu....Se sobrar um tempinho, me manda um e-mail.


O Ricardo torna a atacar

Cá temos mais um texto primoroso e engraçadíssimo de origem brasileira (a grafia do Português do outro lado do Atlântico, por isso mesmo, é respeitada) que foi enviado pelo Ricardo Charters d’Azevedo. O bom malandro – perdão Mário Z – não escreve, a não ser um único (mas bom) comentário que se dignou postar aqui no Travessa.

Bom seria para os leitores que ele se decidisse e mandasse uns textos para gáudio da rapaziada que aqui (ainda) vem. Estou já a ouvir as salvas de palmas que a decisão do Ricardo conglomeraria, entusiásticas e sonoras, mais do que as que por certas noites me invadem a casa, que fica a uns escassos metros do estádio mais lindo, quiçá do Mundo, o Alvalade Século XXI. Pelo menos, da Segunda Circular.

Mas enquanto esse sonho, o Verão está cada vez mais próximo, não se concretiza, despojemo-nos de aspirações complicadas e quedemo-nos por estas pequenas preciosidades que o Charters me vai fazendo chegar, à mistura com outras menos preciosas e destinadas a «picar-me»… Eu, na mais santa das intenções, perdoo-lhe tais desvarios – amigos.

E continuo a alimentar a esperança de ver este blogue fiel depositário de produções literárias ou artísticas do Ricardo Charters d'Azevedo. E enquanto tal não sucede, contentemo-nos com estas preciosas migalhas, ao pé das quais as rosas da Rainha Santa Isabel não seriam mais do que flores de papel de Campo Maior. A.F.

4 comentários:

O tal antigo camarada do DN disse...

Muito boa! Por isso, cá para mim bebo sempre cerveja da Super.

José Martins disse...

Aquele ditado que eu ouvia de quando puto que " pela boca morre o peixe" é um facto verdadeiro e acontece no correr da vida dos homens, depois dos 50.
No meu caso aconteceu depois dos sessenta e poucos quando fui parar de urgência ao hospital; o médico, me ter virado dos pés à cabeça e verificado que as minhas veias estavam saturadas de lama (colesterol).
Fora dos limites normais.
Ora eu tinha sido um sem barriga, comia bem e bebia melhor de quando trabalhava no deserto das arábias. Mesmo sob altas temperaturas, beber em média cinco litros de água, por dia, não tinha barriga e pesava 73 quilos para um 1,75 de altura.
Saí das arábias e na nova profissão, sentado, comecei aumentar de peso e a criar barriga.
Alimentava-me de comidas suculentas, camarões, lagostins fritos e grelhados, acompanhados de umas cervejas.
Há cerca de seis anos, depois de um dia normal de trabalho, chegado a casa tinha a comida em cima da mesa e eram camarões cosidos com batata frita.
Disse à minha mulher: está a dar-me muitos camarões... Respondeu-me: "agora e de comê-los, dado que estão baratos".
Bebi uma garrafa de verde Gazela, quedei-me a ver a televisão e às 10 fui nanar.
Por volta da meia noite acordei aflito, dor no peito e nos braços. No estômago havia uma revolução que nem o ar saia pela boca de cima e muito menos pela de baixo. Levantei-me, caminhei no rés-do-chão de minha casa até às cinco da manhã.
A situação continuava com dor no peito e nos braços.
A minha mulher telefonou para o hospital (1000 metros de minha casa); contou o que se estava a passar comigo e passado poucos minutos estava uma ambulância, com uma enfermeira e um médico. Deitaram-se numa maca, soro nas veias e sou levado a toda a brida, com sirene ligada para uma cama do hospital.
Sou medicado, extraem sangue das minhas veias, sou radiografado; enfiaram-me um tubo pela garganta até ao estomago (nada agradável). O meu organismo estava numa completa lástima e demorou uns seis meses para ficar a 100%.
Antes disto, eu levantava-me cansado e sem vontade alguma de ir para o trabalho.
Porém, comia e bebia com satisfação e para ajudar a digestão tomava três comprimidos anti-ácido.
Nunca me passou pela cabeça que os exercícios, diários, eram uma parte importante para o corpo se conservar em forma.
O meu dia a dia é: pela manhã, em jejum uma tablete de Vitamina C; pequeno almoço corn flakes e com leite magro; lanche papaia e mangos em fatias e duas sandes de queijo de 30% de gordura.
Ao jantar uma sopa de vegetais, fruta e um copo de vinho tinto.
Uma vez por semana carne e peixe.
Chego a casa às quatro e meia da tarde, enfio uns calções e uma camisola branca e vou caminhar para o parque nas traseiras de minhas casa.
Caminho a passo apressado, sem parar 40 minutos.
Dou 10 voltas ao perimetro do parque que em quilómetros são cinco.
De regresso a casa tomo uma banhoca, como um "caldinho", umas frutinhas tropicais e de manhã levanto-me fresquinho, mais ou menos como uma alface orvalhada, colhida pela manhã na horta.
Os que me lerem e já completaram o meio século de vida, recomendo-lhes a minha receita de vida e lembrem-se sempre: "Pela boca morre o peixe"!
José Martins

Ulpiano Nepomoceno, Praia, Cabo Verde disse...

Com uma dama destas ninguém tem fibra para beber água aos litros, muito menos vinho nem que seja rosé, ou seja uma soft drink.

Estou de acordo com o tal antigo camarada do Antunes Ferreira no DN. Viva a Super Bock! Viva! Viva!

Graça Castelo, Évora disse...

A boa disposição é fundamental para que sobrivamos neste vale de lágrimas. Destes textos, com imensa piada venham mais; muitos mais. Faça isso Antunes Ferreira que vai ver que é mais uma aposta ganha