quarta-feira, junho 18, 2008



Três bons malandros


Antunes Ferreira
O
Carlos Pinto Coelho é boa praça. O Mário Zambujal, idem. Sou muitíssimo amicíssimo dos dois. Que querem? Uma desgraça nunca vem só. Que os que me lêem – parece que ainda os há, poucos, mas há, e certamente bons cidadãos – me relevem o tom intimista deste escrito. Porém, não podia ser outro. Passo a explicar, justificar não, que a Amizade não se justifica.


Um destes dias, mais precisamente na sexta-feira, uma tal Luísa Barragon mandou-me um mail. Transcrevo a parte que para o caso interessa. «Dr. Antunes Ferreira: O Carlos Pinto Coelho teria um enorme prazer de o poder entrevistar para o programa de rádio "Agora Acontece" a propósito do seu livro "Morte na Picada". Temos gravação na próxima 2ªfeira, dia 16 de Junho, às 11H00. Diga-me, por favor, se poderemos agendar»?


Claro que pois claro, disse logo à Senhora, cuja amabilidade e simpatia me deixaram desvanecido. Naturalmente, pedi-lhe para retirar o Dr. E, apesar do telemóvel dela se estar a ir abaixo das canetas, ainda tive a oportunidade de saber, naturalmente por ela, ser filha do Salvador Ribeiro, fotógrafo de mão cheia, com quem eu trabalhara no «Jornal Novo». E fizera um Amigo.


Encurtando. O CPC, o malandro, já me dissera que me estava a preparar a armadilha microfónica. Um carinho dele, no que é especialista. Desta feita para comigo, seu amigo de decénios, etc. e tal. Lá fui a Miraflores, ao Estúdio Tcha Tcha Tcha. Tive o privilégio de conhecer pessoalmente a Luisinha, «uma querida», de acordo com o meu editor.


Veio o Carlos e ipso facto estávamos na cabine de gravação, entretidos numa conversa de compinchas, a que também se podia chamar entrevista. Conduzida pela mão de mestre do meu interlocutor. E a ser difundida por toda a parte (até por Macau). São 84 (eu escrevi oitenta e quatro, não haja dúvidas) as Rádios que a emitem. Só o Pinto Coelho.


De resto, um aparte. Nunca compreendi como a RTP se deu à estupidez crassa de acabar com o Acontece que, anos a fio, o Carlos produziu, escreveu, apresentou e sei lá mais o quê. O melhor programa cultural da televisão em Portugal. Ponto. Nada. O melhor, o mais ágil, o mais audaz – o mais vivo. E posso assegurar que não é de agora que o escrevo, nem por força do CPC ser meu Amigo. Já o fiz e repeti-lo-ei.




Terminámos. Pareceu-me que a coisa tinha corrido bem, mais por mérito do entrevistador do que do entrevistado. Mas, quando saía da sala do estúdio, há um gajo, perdão, um Senhor gajo que comenta assim a charla. Estava parvo. Era o Mário Zambujal. Há quantos anos o não via. Noites a fio passámos juntos (salvo seja…) no «Diário de Notícias»; ele, chefe da Redacção; eu, Chefe Adjunto. O maior fazedor de títulos que encontrei em toda a minha vida profissional.
De resto, assistira ao seu lado à facilidade de escrita – escorreita, directa, irónica – que tinha. Por ali passaram textos e ideias da «Crónica dos Bons Malandros» que seria classificada de óptima, (apenas…) e já vai na 34.ª edição. Se não assisti ao parto, acompanhei a gestação.


Foi uma festa. O Carlinhos ia entrevistá-lo de seguida. «Já não se escrevem cartas de amor», o motivo do encontro. Que, vejam lá, decorreu excelentemente. Como nos desafios de futebol, a segunda parte foi melhor do que a primeira, opinião minha. O malandro do Zambujal acabara de me fazer mais uma acintosa maldade: só às quatro da matina correra os taipais da leitura sem parança. Dormira umas escassas quatro horitas, portanto, e por mor da entrevista.


Teríamos ficado por ali uns bons cinquenta e sete anos, cinco meses, três dias, oito horas, 27 minutos, 43 segundos e dois décimos na costura das lembranças – e das malandrices. É que eu, ainda que em patamar mais abaixo, também me enquadro nesse quadro dos malandros. Dos bons, Mário dixit. Mas, tudo tem um fim. O Zambujal jurou-me que iria ler o «Morte na Picada». Acreditei e acredito, ainda que com algumas reservas. E, para fechar com chave electrónica, trouxe-me a casa no seu BMW. Gente fina é, realmente, outra coisa.


Pronto, está feito. Ninguém tem nada a ver com esta prosa. Ou, quem sabe, se calhar, terá. Não bati no Sócrates, o que é já tão banal de tantas repetições, que já é um ponto a meu favor. Não critiquei a des(união) laranja, que já se tornou calina. Não encomiei a selecção portuga de futebol, o que poderia parecer seguidismo da sua omnipresença. Não falei da crise, de tal forma é óbvia. Nem sequer aflorei o miserável índice de confiança na economia nacional.


Limitei-me a fazer a crónica do reencontro de três bons malandros. Sem que nisso se veja qualquer tentativa soez de plágio, pois o Mário é único e implagiável. Até me dando ao luxo de uns quantos neologismos espúrios. Porra! Os Amigos são, sobretudo, para as ocasiões.


As fotos do crime são da Luisinha Barragon


(Também no www.sorumbatico.blogspot.pt )

6 comentários:

Paula Raposo disse...

Bonito de te ler!

Anónima Salina disse...

Já enviei um email à Sr.ª D. Luísa Barragon solicitando que faça o grande favor de me informar quando e onde ouvir esta entrevista.

Espero que a senhora em questão seja muito mais minha amiga do que V. Ex.ª Meu Mui Digníssimo Chefe, que não fez o obséquio de me dizer que ia falar do "Morte na Picada" à Feira do Livro.

Tenho dito. E mais... vou tapar as orelhas e só terei ouvidos para o senhor Mário Zambujal.

Queijinhos e malaguetas (das pequeninas, aquelas que não matam mas muito moem)
AS

Nuno Rebelo disse...

Henrique: Parabéns uma vez mais pelo livro e já agora, por mais esta iniciativa de divulgação com a alta chancela de C.P.C. (Como foi possível acabarem com o seu programa??!! - concordo consigo).

Assumo (com alguma vergonha, vamos lá, há que dizê-lo) que apesar de ter ido ao lançamento do seu livro, de ter ficado muito entusiasmado em ferrar os dentes nele, muito por culpa da apresentação do Joaquim Furtado e da sua cuidada escolha de trechos e de o ter mesmo comprado (ao livro), ainda não o li.

É o que dá andar metido desde há algumas semanas com um calhamaço na casa das muitas centenas de páginas.

E apesar da "Picada" vir em contos, mesmo esses gosto de os ler de enfiada.

Aqui passarei mal o acabe.

Um grande abraço e fico satisfeito de ver que ainda aqui vai "postando" nesta sua Travessa.

Antunes Ferreira disse...

Paulinha
Continuas a estragar-me com mimos... Obrigado

Antunes Ferreira disse...

Ana (anónima)

Eu também não sei quando a conversa é transmitida. Se calhar, até já foi.
Mandei-te, oportunamente, comunicação sobre a Feira. Tão entretida andavas com o teu João... que nem deste conta. Muito bem.
Quanto ao MZ, no comments; no que concerne às malaguetas, a mim nem sequer moem. Queijinhos

Antunes Ferreira disse...

Dom Nuno

Há tempo para tudo - inclusive para impingir o «Morte na Picada» aos amigos, conhecidos & desconhecidos de Vossa Insolência. A muitos. Os euros estão tão caros e... raros que alguns que entem sabem que nem ginjas.
E venha sempre à Travessa. Além do mais, é de borla...